S.O.S. Amamentação – Porque nem sempre é fácil

A amamentação pode seu o céu ou o inferno na terra. Muitas mulheres acreditam que amamentar é a coisa mais simples de se fazer, e que estar com “equipamento original” de fábrica basta. Por aqui já falei da minha experiência triste de um desmame precoce, a Mariana discorreu sobre suas dificuldades mesmo com toda a ajuda possível e a Camila mostrou como o desmame pode ser sem traumas.

Diante de tantas informações e pressões, decidi fazer um guia simples para ajudar você a identificar os possíveis problemas e oferecer ajuda mesmo que virtual. Coloco ao final, o link dos grupos de apoio à amamentação para que você possa consultar quando necessário.

Acho importante reafirmar que por mais que a gente ache que amamentar é uma tarefa fácil, para muitas mulheres pode ser extremamente doloroso e sofrido, física e emocionalmente. Se engana quem acha que é só tirar o peito para fora e tascar na boca do bebê. Precisamos ter paciência, receber apoio e saber o que estamos fazendo. Existe técnica, tem posição e um mundo de possibilidades.

 

Problemas que podem ocorrer durante a amamentação:

 

Problemas no Bico – Se existe algum fator que muda a olhos vistos durante a gravidez é o tamanho e o formato do seio. Se nesse período o seu seio não mudou muito e se o bico continuou lá meio tímido (plano ou invertido), já é hora de pensar em qual estratégia seguir para quando o bebê vier. Amamentar não será uma missão impossível, mas exigirá mais dedicação.

 Solução:

  • O uso de conchas de seio durante a gestação funciona em alguns casos de mamilos planos ou invertidos.

As conchas são discos plásticos, com um orifício no meio para encaixe do bico. Elas devem ser colocadas sobre os mamilos e abaixo do sutiã.

Durante a gestação coloque a concha por curtos períodos e vá aumentando o tempo gradualmente até alcançar a marca de uma ou duas horas por dia. No pós-parto, pode ser utilizada por 30 minutos antes de cada mamada (o uso contínuo não é recomendado).

  • Outra solução bastante viável é fazer compressa gelada (fria) no bico antes das mamadas ou ainda utilizar a bomba de extração de leite para já puxar um pouco o bico e dar forma. Se nada disso funcionar, os bicos de silicone podem ser mais um recurso. Escolha um que seja de bom ajuste e mais flexível.

 

Dor ao amamentar – é bem normal sentir dor e o bico do peito ficar mais sensível, afinal tem alguém ali “gastando” o bico e “sugando” o peito. Seus músculos peitorais trabalham quer você queira ou não. Se a dor for durante a amamentação, verifique se o seu bebê está em uma boa posição e com a pega correta.

 

Solução:

  • Melhorar a pega do bebê. O bebê deve estar com a boca bem aberta para conseguir abocanhar o bico e a auréola do seu seio; se ele pegar só o bico, retire e tente novamente. Para tirar o bebê do seio sem dor, coloque o seu dedo indicador de forma bem gentil e leve no canto da boca do bebê.
  • Se o problema não é a pega, pode ser que o bico do seio esteja ressecado pelo contato constante do bico com a roupa ou o absorvente de seio. Tente trocar o absorvente pela concha e também usar cremes de lanolina (100%) ou ficar com os seios expostos ao sol e ao vento.
  • Quando o peito está muito cheio é normal doer um pouco. Resolva dando de mamar para o seu bebê, ou realizando a ordenha.

 

Fissuras e rachaduras – os bicos podem estar com pouca hidratação e muito abafados, se você estiver utilizando bomba para ordenha, é possível que o encaixe da concha no seio deva estar com alguma “folga”. Tenha a certeza de que a borda da concha está em contato com a pele do seu seio de modo uniforme.

Solução:

  • Verifique a pega do bebê no seio, corrija se esse for o caso.
  • Se o seu bebê mama bastante, procure diminuir os intervalos para minimizar a fome e fazer com que ele não venha com tanta sede ao pote; assim ele irá sugar com menos urgência evitando possíveis rachaduras.
  • Seios rachados ou assados precisam de cuidados. Resista e não dê ouvidos a simpatias. Consulte o pediatra ou o seu ginecologista, procure ajuda especializada.
  • Lavar o seio com água basta e usar o seu próprio leite como cicatrizante, é um dos melhores remédios.
  • Remédios para dor 30 minutos antes de amamentar, mesmo sendo Tylenol e novalgina por mais inócuos que sejam precisam do ok do pediatra.
  • Bicos de silicone podem funcionar, vale a tentativa. Prepare-se para testar um número bem grande de marcas até o seu bebê “gostar” de uma.

 

Leite empedrado – é sinal de que o peito está cheio de leite e não está sendo esvaziado corretamente. Você irá notar que nódulos vão se formando no seio que está empedrado.

Solução:

  • Não deixe de amamentar. Se puder, amamente com maior frequência para “desentupir”os dutos mamários. Você pode usar a bomba para extrair um pouco de leite.
  • Sutiãs muito apertados também devem se afrouxados.
  • Compressas mornas em todo o seio também aliviam bastante quando combinadas com massagem suave em toda a mama. O objetivo é fazer o leite circular.

 

Engorgitamento das mamas – Por mais que a gente goste de ver o peito bem cheio de leite, tanta fartura torna a amamentação quase impossível para o bebê. Um peito muito cheio é um peito bastante rígido, pouco flexível, que dificulta a pega correta.

Solução:

Fique de olho no horário das mamadas, bebês preguiçosos são campeões em deixar o leite de suas mamães empedrar. Nada melhor do que tirar esse leite em excesso (e guardar), viabilizando o encaixe boca do bebê-seio da mamãe. Você saberá que está bom quando o seio estiver flexível e sem desconforto ao toque.

 

Mastite – é uma infecção bacteriana nos ductos mamários. Os sintomas iniciam bem parecidos com a sensação de que tem uma gripe chegando, vem a febre e depois uma dor nos seios. Acontece geralmente em quem teve fissura no bico do seio, leite empedrado e entupimento do ducto mamário.

 

Solução:

  • Compressas quentes e amamentar/ordenhar com maior frequência são as medidas mais adotadas, mas segundo os médicos, a maneira mais eficiente de tratar é com o uso de antibióticos.

 

Contaminação por fungo – o fungo pode chegar ao seu seio pela boca do seu bebê ou por uma chupeta mal esterilizada, causando ardência, coceira, edema e dor.

 

Solução:

  • O tratamento é feito com a administração de fungicida no bico do seio e na boca do bebê. Mãe e bebê precisam ser tratados simultaneamente para eliminar o problema.

 

Baixa produção de leite – a única maneira que temos para saber se a quantidade de leite que você produz nao é suficiente é o não ganho de peso do seu bebê. Como a ida ao pediatra é bem frequente nesses primeiros meses, você poderá acompanhar o progresso de peso e altura na tabela que ele preenche.

Solução:

  • Quanto mais o seu bebê mamar, mais estímulo haverá para produção de leite.

 

Se ele não está ganhando peso:

  • Certifique-se que o seu bebê mama a cada 3 horas. Marque no relógio.
  • Faça ordenha e armazene seu leite.
  • Tente oferecer um só seio para que o bebê consiga mamar a parte mais rica e gordurosa do leite.
  • Ordenhe um pouco do seu leite e depois ofereça o mesmo seio para que o seu bebê se alimente desse leite mais rico.

 

O bebê preguiçoso – no primeiro mês é bem comum que o bebê caia no sono enquanto mama, e vai sendo assim, uma mamada aqui, um cochilo ali. A gente só se preocupa quando não há ganho de peso.

 

Solução:

Estimular o bebê mexendo na orelha, nos pés, fazendo cócegas e conversando são tentativas válidas. Alguns pediatras orientam que se tire as meias do bebê e, aos poucos, deixá-lo só de fraldinha. Dizem que o frio faz eles ficarem mais espertos e querendo mamar.

Rodízio de seios também é uma alternativa. O leite que sai nos primeiros minutos de mamada é sempre mais abundante.

 

Espero ter tirado muitas das suas dúvidas. Escreva para a gente e procure sempre que precisar os conselhos do pediatra, do seu ginecologista e de ajuda especializada.

 

 

Grupos de apoio:

Amigas do Peito http://www.amigasdopeito.org.br

 

Grupo de Apoio ao Aleitamento Materno (GAAM) dos Hospitais da Rede D’Or São Luiz http://www.saoluiz.com.br/Maternidade/mamaes_e_papais/grupo_apoio_aleitamento_materno.aspx

 

Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano http://www.redeblh.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?tpl=home

 

Instituto Fernandes Figueira http://www.fiocruz.br/portaliff/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?tpl=home – Disque Amamentação 08000 268877

 

 

 

Crédito de imagem:  Topinambour

 

vacinação contra a gripe
Postagem anterior
Vacinar para a gripe não pegar
Próxima postagem
Anúncios antigos absurdos estrelando crianças

11 Comentários

  1. ERICA ALMEIDA
    24 de Abril de 2013 at 16:45 — Responder

    Oi Pat!

    Apenas uma sugestão para se testar se bebês choram por fome ou por outra razão(esperar a pesagem, para algumas mães como eu, é uma eternidade…).

    Existe a possibilidade de darmos mais leite do que o que produzimos, em uma mamada, e testarmos se o bebê chorará tão cedo quanto após uma mamada normal.

    O método consiste em colocar a extremidade de uma sonda mt fininha em recipiente com leite artificial (indicado pelo pediatra) e a outra no canto da boca do bb. Quando ele mamar, a quantidade de leite será maior.

    Se as mamadas espaçarem mais, pronto, os choros são realmente de fome.

    Para quem não aguenta dar de mamar no ritmo que o bebê demanda, essa técnica é também uma saída.

    Só não recomendo, de jeito nenhum, dar mamadeira, diga para sua amiga Mariana não se lamentar de não ter dado…

    A minha bb largou o peito, porque dei mamadeira, algumas vezes, e na mamadeira o leite sai mais fácil…

  2. fernanda
    28 de Janeiro de 2014 at 13:48 — Responder

    Ola
    A minha bebe vai fazer um mês e ainda tem dificuldade pra mamar …Elá não consegue pegar o bico…Eu não sei mas o que eu faço

    • Patricia
      28 de Janeiro de 2014 at 15:33 — Responder

      Oi Fernanda,

      você procurou ajuda nos bancos de leite da sua cidade?

  3. gerlandia
    2 de Março de 2014 at 15:52 — Responder

    Oi ,peço ajuda.minha bb esta com 20dias ,tive rachaduras nos seios desde de que sai do hospital foram 2 semanas sofrendo com os ferimentos,consegui trata_los,mas aí ficou uma dor insuportavel no bico e aureolas,nao consigo amamentar,e q posso fazer??? Ja apelei pro leite artificial ,mas queria tanto amamentar com prazer. Ah ja corrigi a pega de todas as formas,nao sei o q está errado.

    • Patricia
      2 de Março de 2014 at 18:42 — Responder

      Ok Gerlandia,

      De qual cidade Você escreve? Muitas cidades tem enfermarias de apoio a amamentação. Me diga de onde você é para que possamos tentar ajudar.

  4. jane
    15 de junho de 2014 at 9:04 — Responder

    meu bb tem 3 meses esta amamentando mas o bico do meus seios estao sensivel pq sera q isso acontece tem alguma mae assim ? 1

    • Patricia
      16 de junho de 2014 at 18:23 — Responder

      Oi Jane,

      Sensíveis como? Começou agora?

  5. hellen
    14 de novembro de 2014 at 12:53 — Responder

    Meu bebe está com 2 meses, e agora esou sentindo muita dor apos a amamentação, somente no seio direito, arde a aréola e dá umas fisgadas bem profunda, não consigo nem ficar com o sutiã.O que poderia ser?

    • Patricia
      14 de novembro de 2014 at 14:10 — Responder

      OI Hellen,

      o ideal é que você pergunte ao seu obstetra para que ele veja e faça um exame detalhado. Com o aumento da demanda do bebê, às vezes o bico fica ferido e nem percebemos, até mesmo nossa musculatura “trabalha”mais.

  6. Bruna
    29 de Abril de 2016 at 20:59 — Responder

    Tenho bico seio invertido, e coloco concha pra fazer o bico, e quando meu BB de 45 dias vai mamar já tem bico mas continua machucando pq tem uma fissura. Eu não sei como corrigir a pega o que eu faço.

  7. anapaula
    24 de novembro de 2016 at 9:38 — Responder

    me ajuda eu tou dando mamadeira pro meu filho a noite o peito o que eu faco me ajuda

Envie uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Voltar
COMPARTILHAR

S.O.S. Amamentação – Porque nem sempre é fácil