Mãe, cadê um tempo só pra você?

Toda mãe é um pouco super-herói de salto e maquiagem. Mentira, só na minha cabeça que eu uso salto. Na realidade, eu uso tênis e estou sempre com o cabelo preso em um coque. E maquiagem? Não me faça rir.


Também não é para menos. Os dias começam cedo, quando todo mundo ainda está dormindo, e acaba tarde, quando todo mundo já dormiu de novo. E, nesse meio tempo, a gente ouve a palavra MÃE, em todas as entonações possíveis. Umas 1000 vezes em um dia! Corre para cima e para baixo atendendo toda e qualquer solicitação das crianças, do chefe, do companheiro, dos amigos e dos funcionários. Faz reunião na fila do hortifruti se desculpando pelo barulho. Faz lista de supermercado no trânsito. Cata piolho discretamente na fila do banco.

Aqui em casa, naturalmente, a confusão é igual e generalizada. Eu sou mãe e solteira e no nosso dia a dia somos só nós duas segurando as pontas uma da outra. E ela frequenta a escola e eu trabalho o dia todo em uma empresa que me demanda muito.

Começamos com um chamego pra sair da cama. O que é um chamego vira um pequeno estresse por que ela quer mais uma coçadinha nas costas quando o relógio começa a apitar o atraso. Pra tomar café da manhã é um drama porque tá sem fome, mas bastou começar a comer pra depois pedir mais. Na hora do banho não quer ligar o chuveiro, mas bastou a água quentinha cair no corpo pra não querer largar as panelinhas e as bonecas no box. E dá-lhe monitorar horário, tomar conta pro banheiro não virar lagoa e mais tantos afazeres em uma única manhã que nem vou dar mais exemplos.

E não queira saber como são minhas noites, quando ela chega da escola e eu chego do trabalho. É um ritual diário que faz parte de qualquer família feliz, mas de vez em quando, só de vez em quando, tudo desanda e você tem vontade de sentar e chorar ou gritar muito alto com a cara enfiada no travesseiro.

E é nesses momentos que eu corro para o banheiro e me tranco. E eu fico ali por uma meia hora, pelo menos. De porta trancada, o som ligado, meu kindle em uma mão e um pedaço de chocolate na outra. (Ou uma taça de vinho. Depende do dia). Acendo uma vela por que aromas são essenciais para me ajudarem a relaxar e pronto. Meu tempo é só meu de novo.

Me mudei recentemente para esse apartamento. E uma das cinco razões pela qual eu me apaixonei pelo imóvel é justamente por que os banheiros eram fantásticos. Um deles, o meu predileto, tem uma banheira que é disputada por todos os moradores e hóspedes. (Todo esse conforto e maravilhosidade é em parte porque nossos metais e louças nos banheiros é toda da Deca, o que torna meu refúgio em um spa só meu).

Sabe, a vida de quase toda mulher é muito fragmentada. Somos mães, filhas, funcionárias, chefes, profissionais, amigas e mulheres guerreiras que se desdobram em mil para dar conta do lar, da família, da vida a dois, da carreira e da própria individualidade. Em algum momento a gente precisa se recolher e se auto preservar para voltar a ser inteira. E Deca, nesse Dia das Mães, me lembrou que esses momentos de relaxamento no banheiro da minha casa é o que me faz recarregar as baterias. E pra você? O que te faz inteira? Já tentou se trancar no banheiro um pouquinho?

publi

dever de casa
Postagem anterior
Minha filha não vai mais fazer dever de casa
Revista de ciências para meninas
Próxima postagem
Revista de ciências para meninas

1 Comment

  1. Silvia
    23 de junho de 2017 at 2:36 — Responder

    Texto tava tão bacana masssss… Se perdeu totalmente no “mershan”…A Sociedade do Espetáculo… Ferramenta e esvazia totalmente o valor que o texto tinha… 😔

Envie uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Voltar
COMPARTILHAR

Mãe, cadê um tempo só pra você?