Pequenos leitores nascem em casa

Dicas simples para transformar uma criança em uma leitora voraz

 

Nos últimos sete anos, desde que minha filha nasceu, uma das perguntas que eu mais respondo é: “eu quero que meu filho adore ler. Como posso ajudá-lo? ”

Detesto iniciar essa conversa dizendo que pequenos leitores nascem em casa. Me parece por demais redundante e ainda assim, me pego explicando exatamente isso. Sempre. Toda vez. E sempre me olham espantados.

A verdade é que pequenos leitores precisam de pais dispostos. Tudo bem que você não queira ler para o feto na barriga da mãe, mas o bebê deve nascer entre livros. Faz parte da pequena lista de estímulos diários que o ajudarão a se desenvolver melhor, tal qual cantar, fazer contato visual ou cosquinhas.

 

 

O objeto livro

Quando o bebê começar a pegar coisas, além do chocalho e do mordedor, coloque um livro de plástico ou pano em sua mão. É importante que ele se acostume a reconhecer o objeto. Na hora do passeio, leve a boneca, a chupeta e um paninho, mas também leve um livro. Ele serve como objeto de conforto na hora em que ele precisa se distrair, seja sozinho, seja na companhia do seu cuidador.

Aprendemos com o exemplo

É mais fácil criar pequenos leitores quando eles têm exemplos em casa. Se você mesmo não é um leitor, é a hora ideal para começar a ler. Lares com estantes repletas de livros, livros em todos os cômodos e cantinhos especiais e confortáveis destinados a leitura são provas de que a leitura faz parte da rotina da família, tal qual brincar, tomar banho, comer junto.

Leitura como prazer

Seja a família que dá livros de presente no Natal e no aniversário dos amiguinhos. Leve seu filho regularmente a livraria, feiras de livros, festivais literários e lançamentos de livros infantis, que são tão recheados de atividades gratuitas para os pequeninos. Assim, visitar uma livraria vira um passeio tão comum e celebrado quanto ir ao parque no final de semana. Ler é diversão.

Além da escola

E por que ler é entretenimento é que a leitura não pode ser somente obrigação escolar. Quando chegam na alfabetização sentem profundamente o impacto das novas responsabilidades. Eles passam a detestar dever de casa, por exemplo, mesmo que seja colorir e cruzadinhas. E se o hábito de ler passar a ser somente os livros da ciranda da escola e do dia da biblioteca, é certo que eles vão associar a leitura à escola. E escola não é diversão (na cabeça deles).

Desacelere

À medida em que eles vão crescendo, o mundinho das crianças vai se diversificando e é fácil esquecer dos amigos livros. Sim, tem os eletrônicos, mas também tem a vida social tão recheada de atividades, que mal sobra tempo para dormir, quiçá ler. Por isso reserve tempo na agenda. Importante criar um momento da leitura em casa no final de semana. Aquela hora preguiçosa depois do almoço, no cantinho favorito da família. Todos nós precisamos nos libertar das ansiedades do dia a dia. Uma hora precisa desacelerar.

Leitura compartilhada e em voz alta

E é esse momento de intimidade em família que precisamos estimular. A leitura compartilhada proporciona isso. Não somente ler para embalar o bebê/criança para dormir. Mas ler para descansar, ler ao acordar enquanto todo mundo ainda está no quentinho dos cobertores. Ler enquanto a criança está tomando um banho de banheira. Toda hora é hora de contar uma história.

Enquanto são pequenos, é importantíssimo ler em voz alta para eles. Isso permite que eles aprendam mais sobre linguagem, fonemas, entonações e maneiras certas de pronunciar determinada palavra.

Quando eles aprendem a ler é ainda mais divertido, pois vocês podem trocar histórias. Você conta a sua enquanto ele conta a dele. E quando ficam maiorzinhos, você pode contar pra ele histórias mais longas, onde um livro vai ser lido aos poucos, algumas páginas por dia. Isso faz com que eles se sintam grandes e maduros. E menos envergonhados de ler suas pequenas histórias para você. Olha só quanta intimidade. Olha só quanta memória um livro pode trazer.

Leia mais: Decoração infantil que incentiva a leitura

10 cantinhos da leitura para morrer de amor

 

++ Esse artigo foi originalmente publicado no Jornal da Primavera Literária, edição de 5000 exemplares, publicado pela Liga Brasileira de Editoras. ++

 

Crédito imagem – Annie Spratt on Unsplash

 

Um post para o futuro pai amedrontado
Postagem anterior
Um post para o futuro pai amedrontado
Próxima postagem
Como falar sobre o abuso sexual de crianças?

Sem Comentários

Envie uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Voltar
COMPARTILHAR

Pequenos leitores nascem em casa