Não chamem meu filho de príncipe

Menino não é príncipe e menina não é princesa. Por que essas alcunhas “carinhosas” deveriam ser evitadas?

Quando descobri que estava grávida me preparei mentalmente para, caso tivesse uma menina, escrever textões na internet e brigar com familiares. O motivo? Recusaria, com toda a força, que minha filha fosse chamada de princesa. A ideia de impor as qualidades da realeza Disney – fragilidade, delicadeza, fofura – para uma criança, sem nem mesmo conhecer sua personalidade era impensável para mim.

Porém, eu descobri que teria um menino e pensei que poderia deixar essa batalha de lado. Mas a verdade é que meninos também são constantemente chamados de “príncipes” e “reizinhos”. A diferença é que essas alcunhas não impõem delicadeza ou fofura, e sim o papel central que é esperado que eles tenham em casa.

Aliás, para o pai, ninguém chama o filho de príncipe. A mesma sociedade que diz que uma menina deve ser delicada como uma princesa, é a que diz que as mães devem tratar a cria do sexo masculino com alguma reverência. Como se as mães devessem servir a seus filhos homens e poupá-los das funções domésticas.

E se você acha que isso é uma ideia ultrapassada, se prepara.

bebe reizinho principe

meu bebê não é príncipe e nem reizinho

Depois que anunciei que estava esperando um bebê do sexo masculino ouvi, incontáveis vezes, a proclamação dele à realeza. Ouvi que ele seria o reizinho da casa e mandaria em todo mundo. Ouvi que deveria aprender a cozinhar (!) porque menino gosta da comida mãe. Ouvi que meninos “amolecem” a mãe e por isso mimá-los é algo natural. Ouvi que o reizinho teria muito ciúmes da mamãe e que isso é muito fofo. Ouvi que não iríamos resistir em fazer todas as suas vontades.

Quis sair correndo. Depois, quis explicar que meu filho não é e nem vai ser tratado como um senhor da realeza. Quis contar pra essas mães que é assim que se criam meninos machistas, desses que acreditam que a mulher existe para servi-los. Quis dizer que quem manda em casa são os adultos e que ele vai ter que lidar com frustrações.

Chamar um menino de príncipe ou de reizinho é reforçar a ideia de que aquela é uma criança especial, que merece tratamento especial e não deve ser contrariada. Mais do que isso, coloca a cria como o “cargo mais alto” dentro da família, principalmente em relação à mãe. Sinceramente, esse papel de mãe servil não combina comigo.Muito menos, criar um ser-humano, em pleno 2017, que ache que o mundo gira em torno do seu reino.

Então, por favor, não me chamem meu filho de príncipe.

 

 

Photo by Paweł Furman on Unsplash

mas não pode ser mais
Postagem anterior
Marcas fofas de roupas infantis sem gênero
Próxima postagem
Por que não pedir para seu filho raspar o prato?

Sem Comentários

Envie uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Voltar
COMPARTILHAR

Não chamem meu filho de príncipe