Como criar uma criança viajante

Pra quem ama viajar, criar uma criança viajante é mais do que um desejo, mas um estilo de vida, uma necessidade de fazer nosso serzinho acompanhar nossos passos pelo mundo.

 

Viajar é das grandes oportunidades que a gente deve dar aos nossos filhos. Mais que coisas, mais que luxo, viajar amplia o universo de todos nós e, mais ainda, dos nossos filhos.

Victoria ama viajar para qualquer lugar. De preferência de avião, por favor. Esses dias, às vésperas de uma viagem de trabalho que a inclui, ela reclamou que fazia muito tempo que ela não ia ao aeroporto, um dos seus passeios favoritos.

E eu resolvi questionar para entender por que ela, como a mãe, já era tão apaixonada por explorar o mundo. E ela me respondeu algumas coisas muito interessantes: que ela adorava quando não entendia a língua do país visitado, pois ela tinha que aprender a se comunicar de alguma maneira; que ela gostava de provar comidas diferentes; que ela sempre fazia um novo amigo; ela adorava andar de avião e até comida de avião; ela ama hotel com piscina.

Bom, os motivos dela são válidos como qualquer outro. Fiquei feliz de perceber que estou criando uma filha viajante, mesmo sem jamais ter refletido profundamente sobre isso. E ela, que sempre foi muito fácil de levar em qualquer viagem, me fez pensar em dicas para que todos nós que temos alma de explorador, possamos influenciar nossos filhos a traçar os próprios roteiros, no futuro.

 

Como criar uma criança viajante

 

Livros

Livros infantis sobre viagens são um ótimo ponto de partida. Leia com os filhotes sobre lugares distantes e perceba imediatamente a carinha de curiosidade e um pedido: “Mãe, vamos lá?” Dê uma olhada no Caderno de Aventuras do Rio de Janeiro e sempre vasculhe livrarias e sebos atrás de títulos instigantes.

Comida

A gastronomia local ensina tanto, mas tanto, sobre a cultura de um país. Uma viagem que não tenha experiências culinárias, pra mim, é uma viagem que não deu certo. Do restaurante chique a comida de rua. Por aqui a gente experimenta tudo.

Crianças recusam paladares estranhos e isso pode arruinar uma viagem. Por isso, minha dica é simples: leve o mundo pra sua cozinha. Tacos, sushi, frango xadrez, falafel, menemen, as oportunidades são infinitas. Cozinhe com o pequeno, peça no delivery, não importa. Importa que essas refeições especiais sejam carregadas de histórias, de significados e uma vontade imensa de experimentar mais.

Explore a sua cidade

Visite os pontos turísticos da sua cidade. Explique que em outras cidades os pontos turísticos são XYZ. Compare, discuta, instigue. Vá ao aquário, museus e teatros. Visite espaços públicos. Ensine-o a ser turista na própria cidade, para que ele tome gostinho pelo modo explorador de vida. Depois leve-os para aventuras nas cidades vizinhas, pequenas viagens de avião até você chegar do outro lado do mundo.

O mundo é grande e cheio de gente interessante

No início desse ano nos juntamos a comunidade do couchsurfing e essa foi, certamente, das experiências mais incríveis que estamos vivenciando. Passamos a conhecer e a conviver, mesmo que brevemente, com pessoas do mundo inteiro, que se hospedam na nossa casa. Aceitamos somente pessoas que possam contribuir com o conhecimento da minha pequena e já recebemos tanto pessoas que moram pertinho e gente de lugares tão distantes quanto a Coréia do Sul. Recebemos jovens , casais e mães com filhos da mesma idade da Victoria. Passamos a fazer mais turismo na nossa cidade com nossos novos amigos, frequentamos mais as praias cariocas, viajamos para lugares diferentes, como Bonito (uma viagem que jamais pensei em fazer antes) e ouvimos muito o que eles tem a dizer dos seus países. Cozinhamos juntos comida brasileira e a comida dos países dos nossos convidados. Toda noite é um banquete. Sempre apresentamos feijoada, pão de queijo e brigadeiro. E o verdadeiro crepe passou a ser comida festiva de domingo. E a cada visita, a Victoria escreve em seu caderno de desejos, mais um lugar na sua lista de países que ela quer conhecer.

Jogo de cintura

Uma criança viajante dorme em condições adversas, tem jogo de cintura pra aguentar atrasos em aeroportos, lida numa boa com passeios de dia inteiro. Ele não liga de você trocar sua fralda de pé mesmo em um cantinho, ele brinca com crianças de qualquer lugar e não fica arredio com estranhos. Cada criança tem uma personalidade, claro, e alguns são mais difíceis de aceitar mudanças. Mas, quanto mais nós os testarmos na calma do nosso próprio lar, mais eles se acostumam com as mudanças bruscas de rotina.

Todo tipo de viagem

O mundo é mais do que resort de luxo. Que tal arriscar camping, hostels que aceitem crianças e até mesmo couchsurfing? Toda experiência é incrível e merece ser vivida. Antes de resolver acampar em Montana, tente acampar no jardim.

Boa viagem e se joga no mundo <3

 

 

Imagem: shutterstock

 

Mães ganham menos
Postagem anterior
Mães ganham menos do que mulheres sem filhos
Próxima postagem
Quarto do bebê e as referências irreais do Pinterest

Sem Comentários

Envie uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Voltar
COMPARTILHAR

Como criar uma criança viajante