Escolhendo um bom pediatra

Como escolher o pediatra? Essa é uma das tarefas mais difíceis para uma mãe de primeira viagem. Afinal não sabemos direito o que esperar ou perguntar. Só sabemos que queremos um médico respeitado, que seja acessível pelo telefone e esteja ao seu lado em uma emergência. Por isso, aqui vão algumas dicas para ajudar a escolher este profissional que vai interferir e te ajudar nos próximos dezoito anos.

Referências

Dificilmente alguém vai fazer uni duni tê no caderninho do plano de saúde para escolher o pediatra do seu primogênito. E mais provável e recomendável que você pegue dicas com amigos ou familiares. Faça uma sabatina com quem te deu as indicações: eles estão satisfeitos com os profissionais? Aceita ou não o seu plano de saúde? Atendem na hora ou atrasam barbaramente? Medicam logo de cara, ou observam um pouco antes de receitar algum remédio? São simpáticos?

Agende uma visita antes de o bebê nascer

É muito comum agendar uma consulta para entrevistar o profissional, eles aceitam bem e dependendo do profissional, já te entrega muito material para ler. Se ele fizer sua sala de parto, melhor ainda. Por isso é ainda mais legal se você conhecer o pediatra antes do seu bebê nascer. Assim, você vai saber de antemão quando deverá ser a sua primeira consulta e levar todo o histórico da primeira semana de vida do bebê. Lembre-se que, se você tiver qualquer dúvida ou problema antes do pediatra escolhido ter acesso ao bebê, você pode e deve ligar para o pediatra neonatal para conversar com ele. E também para seu obstetra.

Plano de saúde ou particular?

Não adianta nada você estar super dura e ter um pediatra que cobre caríssimo. Dê uma boa olhada no seu bolso antes de procurar pelo profissional perfeito. Se você não pode pagar a consulta com frequência, escolha outro profissional. No primeiro ano as consultas serão mensais, ou quase isso. Se seu filhote for para a creche, as viroses podem aumentar a frequência das visitas. Se o pediatra prefere vacinar no próprio consultório ao invés de te mandar pro posto de saúde, adicione mais este valor no custo fixo familiar. Lembre-se que aceitar ou não plano de saúde não faz de ninguém um bom ou mau médico.

Alopatia ou homeopatia?

Aí depende de você e no que você acredita. Minha única dica aqui é que se você optar por ter os dois, converse com o pediatra alopata para saber se ele também curte homeopatia e vice-versa. Nada pior do que esconder do seu alopata que está fazendo algum tipo de tratamento com homeopatia. Hoje em dia é muito comum alopatas e homeopatas trabalharem juntos. Mas ainda existem os que acham que as bolinhas são placebos e aqueles que acham que antibiótico é coisa do demo.

Pode ligar?

Pediatras precisam ser acessíveis. Faz parte da profissão. No início você vai ficar insegura, mas depois você vai começar a relaxar mais um pouco. Não tenha vergonha de ligar quando precisar, mas também tenha bom senso. Etiqueta é tudo. 🙂 Durante as consultas iniciais faça uma lista de tudo o que você quer saber.

Localização

Um pediatra perto de casa é muito conveniente. Mais fácil de levar um bebê doente para um encaixe de emergência, por exemplo. Mas nem sempre é possível. De qualquer forma verifique com a secretária os horários normais de atendimento, pois se você trabalha no centro, o pediatra é na Barra e ele só atende ate às 17 horas, é provável que você não consiga chegar a tempo ou não possa ir trabalhar neste dia. Verifique sua disponibilidade e lembre-se que existe muito trânsito nos grandes centros.

No mais, faça do seu pediatra um companheiro para discutir tudo o que for relacionado ao seu filho, mesmo as coisas mais bobas: cosméticos, temperatura do banho, horários e rotinas diversas. Pediatra, principalmente no caso de recém-nascidos, ajudará você com todas essas questões. Discuta com ele temas polêmicos, como a recente moda de não dar vacina para varicela ou a introdução de alimentos. Leve recortes de revistas com temas controversos para saber a opinião dele. Trocar ideia com um profissional especialista em bebês torna você uma mãe mais bem-informada, capaz de tomar suas próprias decisões e também de decidir se o profissional escolhido tem uma cabeça parecida com a sua. E quando ele discordar de você, lembre-se: você nem sempre está certa.

 

Imagem: Baby at the doctor | © Anette Romanenko | Dreamstime.com

Postagem anterior
Criança usa fone de criança
Próxima postagem
Importando criatividade

2 Comentários

  1. Renata
    30 de agosto de 2012 at 23:57 — Responder

    Oi, Camila! Leio os seus textos sobre os pediatras (alopata e homeopata) e fico morrendo de vontade de pedir o contato. Aqui em casa, estamos trocando a pediatra da Marina que não é acessível, não é simpática e ainda pensa diferente da gente… Mas tá difícil de achar. Que tenha nosso plano, então, tá quase impossível.
    beijos

    • Camila
      31 de agosto de 2012 at 1:56 — Responder

      Querida Renata, vou te mandar os contatos por email e te explico maismum pouco. Ruim estar insatisfeita, de forma que trocar é mesmo a melhor solução. Beijoca

Envie uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Voltar
COMPARTILHAR

Escolhendo um bom pediatra